Envie para um amigo

e-readers ou livros impressos, quais são os mais ecológicos?

Qual é o impacto real dos e-readers? Uma reportagem atual públicada pelo The Millions mostra que, apesar de pensarmos que se você ler muitos livros em um e-reader, eles terão uma pegada ecológica muito menor do que os livros impressos, a realidade é algo não tão atraente quanto parece.

Obrigatóriamente, o aumento do consumo de impressão e livros digitais levou a uma demanda cada vez maior para os materiais necessários para criá-los, transportá-los, e armazená-los. Principalmente no caso de livros impressos. No entanto, grandes quantidades de materiais também são necessários para os livros digitais, e isso é algo tipicamente negligenciado pelos proponentes da digitalização: os custos de material ou são ignorados, ou são classificados como subproduto da indústria da tecnologia ao invés de estarem inclusos na indústria do livro. Em outras palavras, a pegada de carbono da indústria do livro digital está crescendo em sua maioria, e não em detrimento do crescimento da pegada de carbono da indústria de livro impresso.

O e-reader é responsável por uma pegada de carbono inicial 200-250% maior do que uma biblioteca familiar típica, e aumenta a cada vez que você troca o seu equipamento, adquirindo um mais novo, por exemplo. E se você mora em uma casa com vários eReaders, digamos, um para o seu marido e outro para sua filha, por exemplo, as emissões de carbono da sua família são mais do que 600-750 % superior ao ano do que seria se você investisse em um monte de estantes ou, melhor ainda, um cartão da biblioteca.
A menos que você seja um leitor ávido, que cuida muito de seus gadgets e não o substitui ou o atualiza para novos modelos, os e-readers simplesmente não representam a pegada ecológica menor que todos acreditam. Portanto é preferível que você mantenha o seu cartão da biblioteca.

 

Deixe um comentário